Agência Neurônio
 Ir para a página Inicial da ANEEL  Imagem Superior do Perfil: Informações Técnicas
Informações em tempo real Missão e Visão | Protocolo-Geral | Biblioteca Virtual | Busca | Cadastre-se | Fale Conosco | Processos | Mapa do Site | Links | Serviços | Glossário | English
Informações Técnicas Aumentar o tamanho da fonte. (Atalho: Alt A) Diminuir o tamanho da fonte. (Atalho: Alt D)    
Página Inicial  Informações Técnicas Imagem Seta Últimas Notícias

Texto a procurar   Período de  a   
Novas tarifas para consumidores da Elektro (SP) entram em vigor a partir de 27/8
19/08/2014
 
A Diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) aprovou hoje (19/8), durante Reunião Pública, o reajuste tarifário da Elektro Eletricidade e Serviços S/A. Para os consumidores residenciais (Classe B1), o reajuste será de 35,77%. Os novos valores serão aplicados a partir de 27/8 para 2,4 milhões de unidades consumidoras localizadas em 223 municípios do estado de São Paulo e cinco do Mato Grosso do Sul.

O item que mais impactou o reajuste da Elektro foi o aumento dos custos que a empresa teve com compra de energia. Também refletiram no reajuste os custos com transporte de energia e pagamento de encargos setoriais.
Confira abaixo os percentuais por classe de tensão. 

Efeito médio por classes de tensão

Variação (%)

Alta Tensão (> 2,3 kV)

40,7%

Baixa Tensão (< 2,3 kV)

35,97%

Média (Baixa Tensão e Alta Tensão)

37,78%


O efeito médio da alta tensão refere-se às classes A1 (>= 230 kV), A2 (de 69 a 230 kV), A3 (69 kV) e A4 (de 2,3 a 25 kV). Para a baixa tensão, a média engloba as classes B1 (Residencial e subclasse residencial baixa renda); B2 (Rural (subclasses, como agropecuária, cooperativa de eletrificação rural, indústria rural, serviço público de irrigação rural); B3 (Industrial, comercial, serviços e outras atividades, poder público, serviço público e consumo próprio); e B4 (Iluminação pública).

Ao calcular o reajuste, a Agência considera a variação de custos que a empresa teve no ano. O cálculo inclui custos típicos da atividade de distribuição, sobre os quais incide o IGP-M, e outros custos que não acompanham necessariamente o índice inflacionário, como energia comprada, encargos de transmissão e encargos setoriais.

Mais informações sobre os reajustes tarifários podem ser consultadas no endereço eletrônico www.aneel.gov.br, perfil espaço do consumidor, no link Conheça a sua conta de luz. (DB)



 


   Imprimir esta página Imprimir    Indique para um amigo Indique para um amigo